Inteligência Artificial e Criatividade: Uma Perspectiva Epistemológica e Educacional

A inteligência artificial (IA) está remodelando a Educação tal qual a conhecemos, trazendo novas perspectivas para a criatividade humana e de nossos alunos. O surgimento de chats de IA, como o CHATGPT, com avançada capacidade de processamento de linguagem natural pode contribuir para ampliar ou limitar a criatividade de nossos alunos? Ou seja estamos fornecendo novas ferramentas para melhorar o pensamento ou facilitando o plágio e limitando a criatividade humana? 

A interseção entre inteligência artificial (IA) e criatividade na educação é um campo em constante evolução, onde a compreensão da neurociência, epistemologia da aprendizagem, criatividade computacional além do campo da Inteligência Artificial, propriamente dita. Este artigo busca discutir diferentes formas como a IA pode influenciar a criatividade dos alunos, considerando diferentes perspectivas do conhecimento e do desenvolvimento escolar.

 

Inteligência Artificial e Criatividade Humana: Neurociência

A criatividade, essencial para a inovação e resolução de problemas, pode ser estudada sob uma lente neurocientífica. Não iremos nos aprofundar nestes aspectos é importante salientar que diferentes pesquisas têm revelado a ativação de áreas específicas do cérebro durante processos criativos, como a região frontal inferior e a região parietal superior (Estudo sobre a ativação cerebral durante processos criativos). Tais estudos, fornecem insights valiosos sobre como o cérebro humano gera ideias inovadoras e como a IA pode interagir com esses processos neurais para potencializar a criatividade e o raciocinio dos alunos alunos.


Inteligência Artificial e o desevolvimento da Criatividade dos alunos

A discussão sobre o impacto da Inteligência Artificial (IA) na criatividade dos alunos é marcada por visões contrastantes no campo acadêmico. Alguns autores, preocupados com as implicações das tecnologias educacionais, argumentam que a IA pode restringir a criatividade ao oferecer respostas prontas. Por outro lado, há aqueles que veem o potencial da IA e das tecnologias emergentes como ferramentas valiosas para enriquecer a experiência educacional, expandir a criatividade dos alunos e envolvê-los por meio do uso de telas, realidade aumentada, jogos e dispositivos diversos.

Este é o caso de Mitchel Resnick com seu livro “Lifelong Kindergarten: Cultivating Creativity through Projects, Passion, Peers, and Play”, onde ele defende o uso de IA na sala de aula desde a mais tenra infância. Ambientes de aprendizagem inspirados no jardim de infância, segundo ele, podem fomentar a criatividade e a inovação. Resnick sugere que a IA pode ser integrada nesses ambientes de maneira a complementar e enriquecer a experiência educacional.

Na outra via, autores como o neurocientista Desmurguet, diretor do Instituto Nacional de Saúde da França, consideram a IA uma ameaça à criatividade humana. Em seu livro “A Fábrica de Cretinos Digitais: os perigos das telas para nossos filhos”, ele critica a maneira como as telas podem monopolizar a atenção das crianças e adolescentes, limitando suas oportunidades de interação social e desenvolvimento de habilidades criativas. Desmurguet argumenta que o uso excessivo de dispositivos digitais pode levar a um empobrecimento das experiências sensoriais e cognitivas, que são fundamentais para o desenvolvimento da criatividade.

Quanto às plataformas de aprendizagens híbridas ou à distância, Desmurguet expressa preocupações sobre a potencial superficialidade do aprendizado que pode ocorrer quando a tecnologia substitui a interação humana rica e multidimensional. Ele sugere que, embora essas plataformas possam oferecer conveniência e acesso a informações, elas também podem promover um estilo de aprendizado mais passivo e não vivencial enfraquecendo a criatividade humana.  Segundo o autor “Quanto mais entregamos à máquina uma parte importante de nossas atividades cognitivas, menos nossos neurônios encontram matéria com a qual se estruturar, organizar e conectar”, (DESMURGET, 2021).

A epistemologia da aprendizagem, que investiga a natureza do conhecimento e do aprendizado, desempenha um papel crucial na compreensão da criatividade. Estudos têm explorado como a aprendizagem pode afetar a criatividade dos alunos, destacando a importância de abordagens educacionais que promovam a inovação e o pensamento crítico na interação aluno-máquina. Vale a pena analisarmos ainda a integração da IA no currículo, como demonstrado em estudos que utilizam plataformas como Code.org, (Ver: Explorando a inteligência artificial no ensino médio: introdução à IA com alunos do 1º utilizando a plataforma).

Assim como as experiências em ambiente escolar, as potencialidades da IA têm sido exploradas no contexto de alunos com deficiência. A personalização da aprendizagem é um recurso enfatizado na adaptação do ensino às necessidades individuais dos alunos, visando promover um ambiente de aprendizagem mais eficaz e envolvente para estudantes de distintas faixas etárias e perfis cognitivos. A IA está sendo reconhecida por sua capacidade de se adaptar às necessidades individuais dos alunos, o que é particularmente benéfico para aqueles com deficiências. Ferramentas de IA, como leitores de tela, softwares de reconhecimento de fala e dispositivos de entrada adaptativos, estão contribuindo para superar barreiras físicas, cognitivas e comunicativas.

Criatividade Computacional no contexto Educacional

A Criatividade Computacional é um campo interdisciplinar que explora a capacidade das máquinas de emular e potencializar processos criativos humanos. Utilizando princípios de Inteligência Artificial, busca-se desenvolver sistemas que possam realizar tarefas tradicionalmente consideradas criativas, como compor música, escrever poesias ou gerar arte visual. O objetivo é ampliar as fronteiras da criatividade, combinando a inventividade humana com a capacidade de processamento e análise de dados dos computadores.

A ascensão da Criatividade Computacional é um reflexo da evolução do pensamento computacional, que se originou com os primeiros computadores na década de 1960. Essa evolução foi impulsionada pela capacidade crescente dos computadores de não apenas processar informações, mas também de participar ativamente no processo criativo. Com o avanço da Inteligência Artificial, as máquinas começaram a ser vistas como colaboradoras potenciais na geração de ideias e soluções inovadoras.

John McCarthy, um dos pioneiros da Inteligência Artificial (IA), tinha uma visão ampla sobre a capacidade das máquinas de simular aspectos da inteligência humana, incluindo a criatividade. Ele acreditava que, em princípio, todos os aspectos da aprendizagem ou qualquer outra característica da inteligência poderiam ser descritos de forma tão precisa que uma máquina seria capaz de simulá-los. Para ele a IA não apenas seria uma ferramenta para realizar tarefas simples, mas mas capaz de formação de abstrações. Apesar de sua abordagem extremamente lógica e matemática, ele tinha a esperança de que a criatividade e o pensamento complexo poderiam ser alcançados num futuro próximo, o que de fato está acontecendo.

No contexto educacional, essa mudança paradigmática significou a integração da tecnologia não só como uma ferramenta de ensino, mas como um elemento central na promoção da criatividade. A Criatividade Computacional passou a ser vista como uma maneira de preparar os alunos para um futuro onde a colaboração homem-máquina será essencial para resolver problemas complexos e gerar novas formas de expressão artística e intelectual.

IAED, após a popularização do ChatGPT e IAs Generativas

A IA generativa é uma área do deep learning que permite a máquinas aprenderem a partir de grandes volumes de dados não estruturados, como textos enciclopédicos ou coleções de arte, e criar novos conteúdos que, embora baseados em padrões estatísticos, são únicos. Esses modelos generativos simplificam e condensam as informações aprendidas para produzir novas obras que lembram os dados originais, mas são distintas. Seundo especialiasta em IA da IBM:“IA generativa refere-se a modelos de deep learning capazes de obter dados brutos, digamos, toda a Wikipedia ou as obras coletadas de Rembrandt, e “aprender” a gerar resultados estatisticamente prováveis quando solicitado”.

Com a chegada do ChatGPT em novembro de 2022, o assunto ganhou uma dimensão que desafia a imaginação de educadores e da sociedade como um todo. Portanto, neste artigo, vamos explorar o campo da Inteligência Artificial em Educação (IAED), revisitando conceitos relacionados a Sistemas Tutores Inteligentes (STI), aprendizado de máquina, mineração de dados e outros elementos relevantes para aplicar técnicas de IA em contextos educacionais.

IAED, ou Inteligência Artificial em Educação, é um campo inovador que combina tecnologia de IA com práticas educacionais para transformar a maneira como aprendemos e ensinamos. Utilizando algoritmos avançados e análise de dados, a IAED cria sistemas capazes de adaptar o ensino às necessidades individuais dos alunos, otimizar processos pedagógicos e até mesmo realizar tarefas administrativas como correção de trabalhos e fornecimento de feedback.

A IAED não se limita apenas a melhorar a eficiência; ela também visa enriquecer a experiência educacional tornando-a mais criativa e atraente. Por exemplo, pode ajudar a identificar padrões de aprendizagem, personalizar conteúdos e avaliações, e até mesmo facilitar a inclusão de alunos com necessidades especiais. Além disso, a IAED está explorando o uso de realidade virtual e aumentada para criar ambientes de aprendizagem imersivos e interativos.

Supervisão dos professores no uso de IA

No entanto, é importante abordar a IAED com uma perspectiva equilibrada, reconhecendo tanto seu potencial transformador quanto os desafios éticos e práticos que apresenta. Isso inclui garantir que a tecnologia seja usada de maneira responsável e que não substitua, mas sim complemente, o papel vital dos educadores humanos

A colaboração entre a IA e a supervisão humana é essencial para garantir que a criatividade dos alunos seja adequadamente estimulada e desenvolvida. Estudos demonstram que a IA pode ser uma ferramenta poderosa para promover a aprendizagem personalizada e o engajamento dos alunos, especialmente aqueles com deficiências. Algumas escolas testemunham que a integração de recursos tecnológicos, como a gamificação, pode transformar os alunos em protagonistas de seu próprio aprendizado, estimulando habilidades fundamentais e ampliando seus conhecimentos.


Otimismo cuidadoso quando assunto é Educação

A interação entre a IA, a criatividade e a educação é um campo dinâmico que oferece oportunidades e desafios. Com uma compreensão aprofundada da neurociência e da epistemologia da aprendizagem, educadores e pesquisadores podem explorar o potencial da IA para expandir a criatividade dos alunos, ao mesmo tempo que abordam questões éticas e garantem uma educação de qualidade. No entanto, preocupações éticas, como a precisão das respostas geradas pela IA e a proteção da privacidade dos dados dos alunos, devem ser cuidadosamente consideradas para garantir uma educação de qualidade.

O equilíbrio entre a inovação tecnológica e o desenvolvimento da criatividade independente dos alunos é essencial para moldar o futuro da educação. Sobre a interação entre criatividade e IA em alunos do ensino fundamental e médio, nós da Players School a vemos de otimismo cuidado, reconhecendo o potencial das máquinas em estimular tarefas mais criativas, mas também entendendo os desafios inerentes a simular verdadeiramente a criatividade humana e anular o aluno do processo criativo.

Conheça o Programa Escolas Inteligentes” Players School para formação de educadores e gestores escolares em Inteligência Artificial:

  1. Palestra “Aquecimento IA”
  2. Curso Letramento IA para professores
  3. Mentoria IA na Gestão Escolar

Visite nossa Biblioteca IA e baixe, gratuitamente, E-books, atividades e prompts para professores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima